Gráfica Oficial e Secom lançam, em livro, jornal Correio da Pedra

Importante fonte de pesquisa e de informação acerca do Sertão nordestino, a coleção do Jornal Correio da Pedra será lançada dia 5 de junho,…

Importante fonte de pesquisa e de informação acerca do Sertão nordestino, a coleção do Jornal Correio da Pedra será lançada dia 5 de junho, durante solenidade marcada para as 19h, no Instituto Histórico e Geográfico de Alagoas (IHGAL). A publicação, em edição fac-símile, faz parte da programação dos 200 anos de Alagoas, promovida pelo Governo do Estado.

A ideia de publicar a coleção do Correio da Pedra foi do professor Edvaldo Francisco do Nascimento e da antropóloga Luitgarde Oliveira Cavalcante Barros. Ele teve acesso ao semanário quando desenvolvia pesquisa de mestrado sobre Delmiro Gouveia.

De acordo com o professor, a escolha do dia 5 de junho para o lançamento da coleção deu-se em razão da passagem dos 155 anos de nascimento de Delmiro Gouveia. Editado em quatro páginas, o jornal teve seu primeiro número publicado há quase cem anos, em 12 de outubro de 1918.

“O Correio da Pedra é uma preciosidade. Informações que não encontramos mais em outras fontes estão disponíveis neste jornal. Fatos de muita importância para Alagoas, para o Nordeste e o Brasil eram noticiados neste semanário”, afirmou o professor.

Durante o período de organização da publicação foram realizas pesquisa e levantadas informações sobre a história da imprensa em Alagoas. “Do período do Império à República, os jornais alagoanos foram marcados por perseguições aos jornalistas e aos proprietários de jornais, além do empastelamento das tipografias. Esse é um dos motivos da inexistência de exemplares, bem como da interrupção da publicação de muitos dos nossos jornais”, cita Luitgarde Oliveira.

Ela recorda que prisões, perseguições, tortura, ameaças e outros métodos foram utilizados ao longo da história para cercear a imprensa, conforme estudos realizados pelo professor e historiador Moacir Medeiros de S’antana. O Jornal Correio da Pedra teve sua criação dentro do contexto do ciclo de desenvolvimento ocorrido no Sertão do São Francisco, liderado por Delmiro Gouveia.

Foi do industrial sertanejo a ideia de comprar o equipamento tipográfico e criar o semanário. Assassinado em 1917, ele não conseguiu ver o jornal em circulação. Foram seus sucessores que, em 1918, colocaram o Correio da Pedra em atividade.

Nos primeiros anos de circulação, o jornal pertencia a uma associação dirigida por integrantes da Cia. Agro Fabril Mercantil, conforme anunciado na edição de Nº. 68, de 25 de janeiro de 1920. Posteriormente, passou a ser uma publicação de propriedade direta da Fábrica de Linha da Pedra, pertencente à Cia. Agro Fabril Mercantil.

A Coleção do Correio da Pedra, guardada no Instituto Histórico e Geográfico de Alagoas (IHGAL), está organizada em dois volumes, sendo o primeiro deles referente ao período de 1919 a 1926. O volume II da coleção é referente ao período de 1927 a 1930. Este se inicia na edição de número 431, com o jornal de 2 de janeiro de 1927.

O Correio da Pedra teve como fundadores Adolpho Santos e J. Roberto, respectivamente, gerente e auxiliar da Fábrica de Linhas da Pedra; Enrico Turri, chefe de escritório comercial; José Ulisses Luna, bacharel em Direito; Virgílio Lisboa, negociante; Aloysio Cravo, dentista. A impressão era feita na seção gráfica da Fábrica da Pedra, sob a direção do tipógrafo Cleodon Mendes. A sede da redação ficava na Rua 13 de Maio, n° 74, na Vila da Pedra.

Como diretores, o Correio da Pedra teve Adolpho Santos (out. 1918-nov. 1923); J. Roberto (dez. 1923-mai. 1925); João de Souza (mai. 1925-jul. 1925); e, por fim, Hildebrando Menezes (ago. 1925-mai. 1930). Comumente, os editoriais do jornal abordavam temas de interesse nacional, estadual ou regional, tais como instrução pública, seca, a emigração sertaneja, necessidades sertanejas, estradas férreas (Great Western), a cachoeira de Paulo Affonso, dívida externa brasileira, petróleo alagoano e o cangaço.

O Correio da Pedra também reproduzia noticias inicialmente publicadas por outros jornais, tais como O Globo, Correio do Acre, Jornal de Alagoas, O Índio, A Vanguarda, Correio da Manhã, Jornal do Commercio, O Paíz, Jornal de Maceió, O Luctador, O Norte, Diário de Pernambuco e Jornal de Caruaru.

Para o governador Renan Filho, a memória jornalística do Sertão alagoano no início do século passado estará ao alcance de pesquisadores, historiadores, estudantes, educadores e do público em geral.

“Sinto imensa alegria e orgulho por ter a oportunidade de apresentar a Alagoas e ao país esta preciosidade histórica: a coleção do jornal Correio da Pedra, idealizado por Delmiro Gouveia. Esta edição especial, que marca o centenário da morte do grande empreendedor, simbolicamente passa a fazer parte do acervo”, citou o governador.

A publicação sairá em quatro volumes (formato box), sob a responsabilidade da Imprensa Oficial Graciliano Ramos, e será distribuída com as instituições de pesquisa, universidades, bibliotecas e outras instituições educacionais. O lançamento da coleção será promovido pelo Governo de Alagoas, por meio da Secretaria de Estado da Comunicação (Secom).

Fonte: Agência Alagoas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *