Família espera, há 2 meses, decisão da justiça para internar jovem esquizofrênico

A justiça brasileira acaba sendo responsável por absurdos que ela mesma produz.

Há casos urgentes envolvendo vidas; existem decisões que não podem esperar.

Mesmo assim, o tempo cronológico do judiciário é diferente do relógio do mundo.

Mas, e as consequências?

Um jovem aguarda desde o dia 23 de dezembro uma decisão da justiça alagoana para ser internado, compulsoriamente, em uma clínica psiquiátrica.

Ele é esquizofrênico e usuário de maconha.

A mãe do rapaz entrou com a ação. A irmã me disse que ele agrediu um tio. O rapaz ouve vozes, sua condição mental e física impede que ele mesmo busque o auto controle.

A família contratou um advogado para mover a ação de internação psiquiátrica compulsória com pedido de liminar de antecipação de tutela. No topo deste pedido está carimbado: URGÊNCIA.

A ação pede o uso de força policial porque o rapaz é agressivo e não vai concordar com o internamento.

Houve tentativas de agressão a outras pessoas. Inclusive tentativas de linchamento.

Todos estes fatos, com laudos médicos, estão nesta ação que, repito, pede URGÊNCIA na decisão.

Caminhamos para o segundo mês do ano. E nada.

A nossa justiça impressiona. Acontece a mesma coisa com decisões judiciais para tratamento médico.

O Estado (ente federativo e municipal) descumpre estas decisões. E não acontece nada.

Mas o caso deste jovem consegue causar ainda mais indignação. Porque nem existe decisão. E os riscos deste jovem ou matar ou ser morto crescem a cada dia.

Quem será responsável pelo dano irreparável ou de difícil reparação?

E se a própria justiça não consegue assegurar o que diz a lei- o Estado e o município têm o dever de assegurar à população o direito à saúde e à vida- como ela pode buscar credibilidade ou apoio dos outros mortais, se a mínima obrigação é um rascunho num papel que, por acaso, é chamado constituição?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Conteúdo protegido!