BLOG

Oração forte para sair de 2020

Estamos fechando este ano como quem participa de uma corrida exaustiva pela vida e logo ali está a faixa de chegada que garantirá a segunda etapa. Mas o risco de não alcançá-la permanece de pé, em forma de ondas.

Difícil sentimento será o de vitória. Olhar para trás será rememorar medos e perdas associados a outras estranhas experiências que o poder nos impôs, esmagando reações, levando gente, engolindo as verdades para devolver seus vômitos de realidades instantâneas.

Não será apenas jogar pétalas e deixar cair poesia, gestando um frenesi de supermercado cultural, que nos apaziguará.

Quero o sabor do vinho sendo sentido com a consciência do paladar, mas se não poderemos sorver o ideal, a água que hidrata e limpa falará mais alto no processo humanizador.

Eis o desafio intenso de avançar para a etapa vindoura fortalecendo a humanização frente ao objeto consumidor/consumido. O tempo segue o mesmo mas as energias movimentadas levam contaminação e guerra, a semente da dor foi plantada e vingou esta opressão generalizada. Não se pode omitir história sem consequências.

As relações se transformaram e outras maneiras de manipular ganharam status, o balcão da prestação de contas está pintado com as cores do arco-íris, cobrando seguidores e cancelando comportamentos autônomos. Para pertencer tem que aplaudir! Agressão ao pensar.

Urge valorizar o estudo e alma do estudante.

Não se prender nas teias das doenças nem das relações adoecidas, eis a atração da chegada, que é partida!

Liberdade está mais distante. Assim talvez esteja mais instigante. Ah sermos humanos é desgastante, interessante, nos deixando ofegantes na saudade do descanso lento, da respiração despreocupada.

Finda ano mal passado! Finda e alimenta essa sensação rápida de recomeço na cena vindoura. Ah amor, essa canção plural e multicor! Esperança só a enxergo nos teus braços!

Relações amargas e linguagens devorando concretudes são outras batalhas e estradas pelas quais recuso caminhar.

Falar de história sem correr o risco da desdita trazida pelo abandono pensado no grupo que embasa a vida virtual é pauta suicida nesta hora de negação. Cada qual fará com a própria historicidade um tipo atualizado em inglês de adaptação. Bastará?

Misericórdia aos que ainda acreditam na sutileza de ser o que são. Estes serão perseguidos como outrora foram os seus ídolos e poderão encontrar uma fogueira na esquina.

2020 está levando essa cinza para os registros que competirão com a onda crescente de negação!

Salve os sobreviventes destas mazelas biológicas, políticas, culturais e mercadológicas! Amém! Amém!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

SOBRE O AUTOR