Repensando o progressismo espírita

Antes de pegar a rota de qualquer caminho discursivo declaro amor e adesão ao Espiritismo sob as descobertas, revelações e orientações de Allan Kardec, o mestre lionês que conquistou espaço científico e filosófico com abertura à religiosidade materializando com estudo, pesquisa e muita doação de si mesmo, a Doutrina dos Espíritos.

Partindo então de uma identidade kardecista, saudamos leitores que demonstram interesse pelo tema discorrido, acreditando que no final de todas as questões, haverá algum tipo de conquista, em acordo com a capacidade, necessidade e aptidão que tenhamos conquistado na arte do viver.

Acreditando e aceitando a dinâmica evolutiva que entrecorta histórias humanas, confesso estar percebendo necessidades até então estranhas ao timbre militante que assumimos no território das relações sociais, históricas e políticas desde as eleições de 2018.

Muitos de nós empenhamos com afinco sobejas energias no combate justificado à necropolítica de Jair Bolsonaro, e com isso nos afastamos das casas onde desenvolvíamos trabalhos (por decepção, confrontos ideológicos e similares), alguns deixamos de lado práticas simples mas basilares, como a realização do culto do Evangelho no lar, participação em reuniões mediúnicas, ações de caridade material e até estudos; passamos a debater mais amplamente políticas sociais, culturais e até partidária, haja vista estivéssemos a ecoar o caráter progressista do Espiritismo, que estava há muito sendo silenciado pelo tradicionalismo hegemônico e igrejeiro da Federação Espírita Brasileira e seus ícones medianeiros.

Houve necessidade de fortalecer o eco da libertação!

O Brasil pôde vislumbrar outras falas, escritas, compreensões e interpretações fiéis a Kardec, sem necessariamente manter cabresto “de direita” ou nas “tradições” da “pessoa de bem” – ser elitizado, de classe média ou rica, que monopoliza o ideário espírita como “escolhido”.

Contudo, há algum tempo (estamos em 2020) começo a sentir que alguns posicionamentos se distanciam da matriz espírita kardecista, e abrem largo espaço para confusas projeções. Se nos tornamos críticos da “fascinante” indução de médiuns famosos com vistas ao fortalecimento de suas próprias convicções, arrebanhando os vulneráveis com discurso manipulador, urge que também nós analisemos os caminhos pelos quais estamos enquanto grupos conduzindo os que se empolgaram com os discursos à esquerda.

Ou seja, Espiritismo não é uma massa amorfa que cada grupo ajusta aos próprios anseios e buscas. Existe uma ética que não pode ser arrancada pela força de nenhum discurso, seja à direita ou à esquerda do espectro político. É arriscado demais referendar como “progressista” apenas os que coadunam com nossos pensamentos. Kardec nos facilitou esta prova deixando legado importante, que não exaure estudos, nem diálogos.

Sei que é muito mais fácil escrever criticando Divaldo Franco e os médiuns eleitos pela FEB como referências de espíritas de bem. Mas a honestidade da escrita que temos sustentado se mantém em coerência com o fortalecimento de um debate livre, respeitoso e maduro.

Assim sendo, esperamos que o meio espírita brasileiro siga no rumo do progresso das mentalidades com vistas a um tempo de paz, mesmo em meio a tantas guerras. Que a diversidade de bandeiras erguidas seja um fenômeno de convívio civilizado, cordial e solidário.

Cada espírita avalie as  consequências das investidas, analise o tempo da semeadura para não sofrer na pressa da colheita e não rejeite o fruto da experiência como resposta valiosa da vida.

De mãos ternamente ajuntadas pela tecnologia que nos proporciona convívio, nos apoiemos para que um momento mais humanitário rasgue no caos o vislumbre de um amanhã fincado na madureza do pensar antes de agir impetuosamente, embora nossa humanidade justifique os ímpetos e até mesmo as paixões.

 

3 thoughts on “Repensando o progressismo espírita

  1. Avatar

    Tenho lido seus textos sobre o espiritismo. Acho que há um incômodo monotematico que recai sempre na crítica a trabalhadores de expressão dentro do movimento “Sei que é muito mais fácil escrever criticando Divaldo Franco e os médiuns eleitos pela FEB como referências de espíritas de bem.” Não acho que eles estejam acima do bem e do mal, nem eles acham. Talvez você tenha que levar esses ataques para uma sessão de psicanálise para trabalhar esse incomodo/ ( inveja?). Se a Federação é uma instituição que a desagrada tanto qual seria a forma melhor para colocar no lugar? Se a forma institucionalizada a desagrada tanto por que não ter uma prática própria com a codificação e distante das instituições? Isso é totalmente possível.
    O espiritismo não é apêndice do marxismo ou de qualquer teoria crítica, ele tem um propósito muito bem definido e não é de ser ideologia ou instrumento de militância política.
    Pense em você e seja feliz professando o espiritismo da codificação e longe das tão imperfeitas instituições, elas têm uma dinâmica própria e a natureza não dá saltos. Como hospital/ escola só com a cura das almas pelo evangelho é que poderemos ter as instituições ideais.
    Sou de esquerda mas acho essa cobrança política não passa de ” fogo amigo”, inoquo nos propósitos e destrutivo para quem mesmo imperfeitamente está contribuindo para divulgação e assistência de quem precisa da doutrina.

    1. Avatar

      Olá, peço licença para expor o que penso sobre o seu questionamento, assim como o fez com a autora do texto, afinal, esse canal é aberto para interação. Certo?
      Talvez você tenha que levar esse seu questionamento para uma sessão de psicanálise pra tentar trabalhar o seu incômodo /(despeito, inveja, raiva?)a uma mulher que se atreve a escrever o que pensa.?
      Se o posicionamento da autora lhe causa tanto desagrado, qual seria a melhor forma para você seguir a sua vida sem esse incômodo? É totalmente possível um sujeito seguir a sua própria vida sem ataques velado a outro sujeito que tem a liberdade de pensar e escrever, certo?
      Se o espiritismo não é pêndice de qualquer teoria crítica, se não é instrumento de militância e/ou política, o que significa a sua resposta a uma outora critica, onde você a sugere sessões de psicanálise, tentando calar o que ela e qualquer pessoa pode debater? Acaso a federação e o espiritismo com seus seguidores ávidos são ONIPOTENTES?
      Pense em você e seja feliz professando o espiritismo sem essa cobrança onipotente e ditatoria , com aqueles que entendem que a cura das almas não é por meio do modelo de perfeição inquestionável. E sim, talvez, apenas com a liberdade e justiça. Será?
      Por favor, coloque aqui uma resposta com citação da codificação de Kardec que cita a obra como pensamento único a ser seguido e enaltecido as personalidades ( ex Divaldo) ?
      Já que você , parece, ser um especialista da codificação de Kardec, Feb e companhia, me diga: Espiritismo é só, e apenas, religião com seguidores regiosos?

  2. Avatar

    Minha querida, amo seus textos e os compreendo! Leio e releio com satisfação, pois também eu experencio com intensidade d’alma as lições que a Doutrina Espírita nos oferece. Você é uma das belas almas que tive a honra de encontrar nessa jornada terrestre, que me ajudam a ressignificar minhas buscas mais profundas, uma compreensão cada vez mais abrangente das complexidades e grandezas da vida! Amo você, alma irmã, e me alegro com suas conquistas , tão verdadeiras e honestas . Aprendo muito com a sua lucidez! Oro por ti, para que brilhe cada vez mais a sua luz!
    Valéria

Deixe uma resposta