BLOG

Por que a bancada federal alagoana faz silêncio sobre voto impresso e auditável?

Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Voto impresso e recontado por militares parece não assustar nenhum dos nove deputados federais e os três senadores da bancada alagoana em Brasília.

A proposta de Jair Bolsonaro serve para colocar em dúvida o sistema eleitoral no país- além do papel do Tribunal Superior Eleitoral- e não ganha um tom de discussão mais séria na nossa classe política. Ao contrário: parece existir uma conivência, ignorando a gravidade mais a insensatez da ideia, que ganhou o apoio público do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP).

Na próxima quarta-feira, 9 de junho, a Câmara dos Deputados promove uma discussão sobre este tipo de voto. Chamou o presidente do TSE, Luís Roberto Barroso, para falar sobre a PEC 135/2019.

Pela proposta de emenda constitucional, as urnas imprimem os votos para que eles sejam auditados. Os bolsonaristas querem os militares fazendo essa recontagem.

Deveremos conhecer o que pensam nossos parlamentares sobre esta PEC.

Sabemos de antemão que nossa bancada, pelo silêncio dedicado ao tema, está interessada mesmo em votos, nos 25% de apoiadores fieis, os que são insuflados por seu líder supremo, além, é claro de conservadores que creem num vale-tudo institucional, colocando nosso futuro em tons mais nebulosos.

Num país que atravessa uma grave crise sanitária, com sinal verde para o autoritarismo e o uso da força das armas, os interesses mesquinhos dos nossos deputados e senadores devem ser interpretados por nós como inação. Há prioridades reais nesta hora, e riscos minimizados.

Um voto impresso e auditável serve aos interesses de alguém, um presidente íntimo das milícias e forças policiais agindo como poder paralelo são os mais beneficiados. A surpresa é que políticos com ideologias tão distintas nem estejam maduros nem coesos para construírem uma opinião comum sobre este assunto. Sinal de que o lobby mais poderoso em Brasília é o do chefe do Palácio do Planalto e sua base que o mantem no poder.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

SOBRE O AUTOR