BLOG

Os espíritas precisam falar do capitalismo

Acredito na fé e na religiosidade humana inseridas, ambas, na esfera política, como caminhos de perdição ou salvação das almas, libertando ou condenando espíritos  para seguirem amadurecidos pelos altiplanos ou retornarem comprometidos aos caminhos dos enganos, como respostas da evolução.

Sim, nós precisamos falar mais sobre capitalismo. Precisamos dialogar sobre fascismo. É necessário compreender os efeitos das ditaduras econômicas, bélicas, fundamentalistas, e seus efeitos espirituais.

Aos poucos nós vamos percebendo que aqueles que ainda compreendem a fé como balcão de negócios entre a criatura e o Criador, estão postergando a autonomia de suas próprias histórias, e circularão no entorno dos petitórios e promessas, até que por si possam refletir sobre a inconveniência de impor verdades a Deus.

A vida humana não é decidida no céu.

Estamos encarnados na Terra também para compreender o timbre das responsabilidades coletivas, e por essa razão, os influenciadores de multidões que promovem a manutenção da crença ingênua e arrogante amarrada nos liames preconceituosos dos religiosismos  sairão desta experiência com enormes chances de desenganos a serem esclarecidos  posteriormente.

Sim, o capitalismo é o satanás representado pela mente atávica, e seu tridente pode simbolizar o materialismo bruto, a dominação das mentes e o atraso moral da humanidade.

O afã de criar separações, definir quem come e quem padece por inanição, a subjugação de corpos e a cruel legitimação de ditaduras, tem feito do capitalismo o pai das guerras econômicas, perseguidor contumaz de povos e culturas ecológicas, gerador de diásporas e acumulador de cadáveres insepultos.

O fascismo que encanta religiosos e moralistas, sempre esteve casado com a política que usurpa liberdades.

Os crimes dos “bons” precisam ser identificados e classificados como atraso evolutivo.

Neste simples registro introdutório, sem intenções de aprofundar um debate histórico, político e espiritual, mas suscitar o pensamento da pessoa de boa vontade, sobre a importância de fazê-lo, convido os espíritas a refletir sobre estes tópicos.

Não há conforto espiritual sem amor, e este sentimento por excelência não flui sem liberdade, mas a libertação passa por longe das alienações e no resumo, a autonomia dos espíritos necessita de conhecimento.

Chega de romantizar a evolução, de culpar as vítimas e reproduzir crenças aleatórias.

É hora de amar profundamente a vida!

Libertar a poesia de sermos espíritos responsáveis pelos mundos onde vivemos.

Hoje, na Terra, nós precisamos conhecer para combater o capitalismo e não alinhar nossas práticas de vida e fé ao lodo fétido do fascismo.

Espíritas, instruí-vos!

VEJA TAMBÉM

2 respostas

  1. Concordo com o texto. Nós precisamos refletir sobre a realidade em que vivemos. Não estamos em férias, estamos a trabalho de nossa evolução espiritual.

  2. Infelizmente a ignorância é muito grande. Sou de uma geração que se ameaçava as pessoas dizendo que o comunismo faria todo esse mal que produz hj o capitalismo, não querem nem saber quais são as ideias progressistas hj . Graças a Deus fui estudar. Os cidadãos e cidadãs continuam com a mente embotada, por ignorância, porque acham que são os próprios capitalistas e têm medo de que qualquer outra forma de produção e reprodução da sociedade, vão lhe retirar as “benesses”, não enxergam a miséria que o capitalismo produz. É. Como se fosse algo da natureza, não se dão ao trabalho de perguntar como poderia ser diferente. Entendo que o capitalismo é muito competente na sua dominação, cristaliza seus valores nas mentes. Até os adeptos da doutrina não se pergunta se gostaria de estar na condição de miséria, para servir de oportunidade para as demais classes sociais lhes fazer a caridade.Meu Deus!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

SOBRE O AUTOR