BLOG

Melhoras para Divaldo e para o “divaldismo”

Durante a semana passada o médium espírita Divaldo Franco esteve nas orações de muitos brasileiros por conta do quadro de saúde que apresentou, tendo chegado até a Unidade de Tratamento Intensivo de um hospital na capital baiana. Contudo, já saiu do estado considerado mais crítico, embora no auge dos 94 anos, qualquer corpo humano tenha suas fragilidades acentuadas.

Embora divergente de Divaldo em muitas concepções e forma de agir, principalmente no meio espírita brasileiro, nós do blog também desejamos seu pronto restabelecimento.

Fazer a crítica das atitudes não significa ser inimigo de alguém, e reconhecemos as contribuições de Divaldo Franco no que concerne à propagação do Espiritismo, embora compreendendo que sempre é tempo de retificar enganos, e por isso desejamos que antes de regressar à pátria espiritual (caminho de todos nós encarnados) o orador espírita possa qualificar o “divaldismo” com declarações políticas mais humanitárias e libertárias, ou seja, progressistas!

A tempo, neste momento político brasileiro, quando a crise sanitária implantada por Bolsonaro agravou a pandemia nestas plagas, e as políticas econômicas de sufocamento e geração de desemprego afetam sumariamente a vida de milhões de pessoas, rogamos aos irmãos espíritas plenos de generosidade, que assim como oram por Divaldo, lembrem das multidões de condenados que perambulam em busca de vagas nos hospitais e seguem encobertos pelo manto da miséria evitável sem ter que lhes defenda os direitos e a vida.

Precisamos de um país que ofereça saúde e cuidados médicos a todos os seus cidadãos.

Sem justiça social, nem os cemitérios conseguirão abraçar todos os corpos tragados pela doença controlável da miséria, que gera insanidades e desgastes emocionais, comprometendo inúmeras encarnações.

Aqui já não falamos de vidas passadas como justificativas para nenhuma dor evitável, e compreendemos que é dever cristão defender igualmente a vida para todos e todas, e mesmo não gostando de usar palavras neutras, aqui vale registrar que inclusive para “todes”.

Saúde para Divaldo Franco e avanço para o “divaldismo” implantado no meio espírita brasileiro, para que todos possamos melhorar!

VEJA TAMBÉM

4 respostas

  1. Amo suas publicações, sempre lúcidas e contundentes, mas sem violentar as pessoas. Só uma observação. No final desta, para mim a expressão ” avanço do divaldismo ” ficou com sentido dúbio. Li uma segunda vez pra ficar claro. Também não quero que divaldismo avance no sentido de ir pra frente. Ao contrário.

  2. https://reporternordeste.com.br/melhoras-para-divaldo-e-para-o-divaldismo/ Divaldo nos traz a prova definitiva de comunicação com o mundo espiritual, aos modos inaugurados por Kardec. Hoje sabemos que podemos nos transformar em um canal cósmico e expressar belíssimas lições de vida terrena e espiritual… Assim que algumas pessoas impressionam numa tribuna espírita por suas eloquencias , com alguma técnica de dicção…
    Mas o que é um “locutor de espíritos”? Apenas comunica as mensagens! Não se deve esperar de sua encarnação a evolução que seja idêntica a quem sua mediunidade alcança…
    Todo respeito ao grau evolutivo de nosso irmãozinho. Que viva pleno a última etapa de suas expiações nesta existência.

  3. Estamos todos destinados ao progresso isso é lei imutável universal. Os seres humanos podem ser mair empáticos ao adotar práticas de respeito e aceitação das diferenças. Contudo o que o progressismo deseja é a quebra de padrões e práticas desde há muito enraizadas no comportamento das pessoas. Já o conservadorismo busca preservar valores e atitudes que trouxeram benefícios às relações sociais e pode evoluir ao desprezar conceitos amplamente considerados ultrapassados. O espiritismo como doutrina não deseja intimidar consciências e forçar mudanças de atitudes exteriores. A busca por divisões dentro do movimento espírita é própria daqueles que desejam fazer de toda insatisfação sua uma bandeira de luta. Amemos mais e julguemos menos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

SOBRE O AUTOR