BLOG

Cidadão de bem e armado atira na praia na era dos extremos

Conhecido por organizar vaquejadas e leilões de animais em Alagoas, Cícero Andrade, do Rancho Vale Rico, foi preso após câmera de segurança mostrá-lo atirando na areia da praia do Francês contra um garçom e o dono de um bar. Ele estaria assediando uma funcionária.

No meio do caminho desta história havia uma arma. Armas cujo uso são fartamente incentivados pela família presidencial, a bancada da bala e, claro, a indústria por detrás desse mecanismo.

O programa Pátria Armada, de Jair Bolsonaro, constrói a narrativa da necessidade do “cidadão de bem” usar armas para se defender dos “bandidos”, incluindo os governadores.

Talvez por isso Alagoas lidere, no Nordeste, o ranking do registro de armas de fogo.

Em 2020 foram 8.774 novas armas, segundo a Polícia Federal, 1.186 delas para cidadãos comuns.

A compra de armas cresce assustadoramente no país desde 2018.

Mais armas mais homicídios.

Nos 3 dias do carnaval da pandemia em Alagoas foram mais 12.

Todos os mortos eram bandidos?

Até aqui a banalização das armas para todos segue intacta e um aparato de força bruta vai surgindo e ameaçando mais e mais pessoas.

Na praia do Francês Cícero Andrade estava armado e atirou em pessoas desarmadas. E se elas estivessem com um revólver na mão? E se um policial estivesse no local tentando uma saída pacífica e fosse atingido por um tiro?

Está na hora de decidirmos como vamos conviver com banhos de sangue nas ruas numa democracia.

Ou se estaremos vivos para contar essa história.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

SOBRE O AUTOR
error: Conteúdo protegido!