Bolsonaro usa fantasmas da ditadura para atacar Biden sobre Amazônia

O presidente Jair Bolsonaro, participa da 29ª Reunião do Conselho de Governo

A destruição da Amazônia entrou no debate presidencial nos Estados Unidos e Joe Biden prometeu 20 bilhões de dólares, se ganhar a disputa pela Casa Branca, para evitar a destruição da floresta.

O movimento segue o que já existe na Europa: ameaça de sanções internacionais.

Jair Bolsonaro reagiu. Explicitamente pró-Trump, o presidente brasileiro disse “o Brasil mudou. Hoje, seu Presidente, diferentemente da esquerda, não mais aceita subornos, criminosas demarcações ou infundadas ameaças” e falou ainda que a “nossa soberania é inegociável” e citou a “cobiça internacional pela Amazônia”.

A ideia de um inimigo externo que ameaça a floresta é antiga. Os generais da ditadura usavam este discurso.

“Faz parte dessa narrativa de que o Brasil está isolado e que há um grupo lá fora que quer destruí-lo. É um discurso de que há um ‘inimigo externo’, que foi inclusive usado pela ditadura militar, e que é conveniente para o governo Bolsonaro, porque pode justificar todo tipo de medidas de exceção.”, disse Oliver Stuenkel, professor de relações internacionais na Fundação Getúlio Vargas (FGV).

As informações são da BBC

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *