BLOG

Toda dor é política

Comovente é o sofrimento humano, retrato do que nos alcança, balançando em dores outros corpos.

Eu respeito a dor que não me esmaga, porque de alguma maneira ela  me avisa sobre aquilo que me faz humana.

A dor é nossa!

Sem apologia ao desengano, nesta admissão me reconheço parte do que move esta hora. Entre maldições ou louvores, estamos empenhados em fazer girar o que chamamos vida e as feridas abertas haverão de doer em todos.

Assim nos compreendo imersos enquanto terráqueos renitentes, na mesma senda curva da incompreendida ação política.

Caridade, me direis, é a salvação dos tempos.

Sem política, é ação levada pela força dos ventos.

Rasgar esse véu de neutralidade nos ajudará (maioria) a entender, que até aqui temos feito má política, entre uivos egoístas e falsos arrependimentos.

Tudo o que exala discurso religioso contém política.

Sua indiferença diante do meu petitório te faz político também, mesmo quando vestido de diáfano servidor das autoridades humanas e celestiais, teus lugares de poder falarão sobre crenças, convicções e escolhas.

Outra vez aninho a lágrima escondida no vale dos condenados, e nego ser realidade o que abate os improdutivos marcados para a morte por ressecamento, e sei que os parâmetros de utilidade de mercado os mataram ainda em vida, e isso poderia ser diferente se não existisse essa conivência aberrante com a perversidade desta  forma de política.

Esborram palavras, esbravejam os grotões e as entranhas da Terra cospem fogo sobre o medo, a ignorância cultivada e o alienação em nome da equidistante salvação das almas penadas e apenadas.

Como fala fundo na alma a presença da dor. O amor é política ousada de quem acredita em um minuto a mais de esperança, sem parar a dança da sobrevivência.

Políticas de vaidade são abismos instantâneos, que engolem e vomitam egos em promoção.

A cura é política de libertação!

A força dessa hora veste sombra, mas o manto da noite acalenta a aurora.

Vai raiar!

Vai semear.

Cuidando dos que sofrem, ardendo em sonhos novos.  Respeitando a vida e sabendo que a morte engole nossas derrotas enquanto o tempo eterniza o toque da evolução.

VEJA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

SOBRE O AUTOR