BLOG

TJ de Alagoas quer licença-prêmio a magistrados; ganho chega a R$ 1 milhão

Tramita na Assembleia projeto de lei que institui a licença-prêmio aos magistrados alagoanos. O impacto é de R$ 66 milhões.

A proposta é que juizes e desembargadores ganhem dois meses de licença a cada três anos.

É tanto dinheiro que um desembargador chegará a receber R$ 1 milhão (30 licenças-prêmio). Um juiz ganhará R$ 808,5 mil.

A licença-prêmio precisa ser aprovada pelos deputados estaduais. E existem votos para isso. O presidente do TJ, desembargador Klever Loureiro, deve assumir o Governo em 2 de abril, iniciando a transição para a administração-tampão. Renan Filho deve renunciar. E a Assembleia se prepara para eleger Paulo Dantas, que vai para a reeleição.

Um dinheiro deste tamanho em tempos de pandemia mostra o quanto Alagoas é um Estado riquíssimo. Mas, o interessante é que, apesar das tantas restrições para aumentos ao funcionalismo público porque o dinheiro deve ser usado em ações contra a Covid-19, a licença-prêmio seja uma graciosidade permitida exclusivamente para uns poucos.

É o uso do Estado para atender a pequenos e pontuais interesses, como sói acontecer e a história está aí para provar o ritmo das coisas.

O pleno do Tribunal de Justiça aprovou ontem um reajuste aos servidores de 4,3% com retroativo a janeiro de 2020, só que “pulando” o ano de 2021.

Ou seja: é como se o salário baixasse de volta ao que era pago ano passado para depois aumentar em 2022.

Servidores do tribunal estão revoltados. E com razão. Porque é o presidente do TJ que, ao assumir o Governo, assinará a licença-prêmio aos juizes e desembargadores beneficiando também ele mesmo. E estamos numa pandemia, nunca é demais lembrar, quando todos os governantes no mundo reclamam da inflação, da queda do poder de compra, do cinto arrochando a cintura da maioria dos mortais.

Só que existem mortais menos mortais que os outros. Está aí a magistratura alagoana que não deixa mentir.

2 respostas

  1. Os integrantes da Justiça tiram dois meses de férias todo ano, mais 15 dias dê recesso julho , e ,15 dias em dezembro. Por.tanto só trabalham ,,,09 meses no ano. Não se entende por que um simples agravo dorme um ano ou mais na gaveta do Desembargador!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

SOBRE O AUTOR