Seja quem for o ministro, nada muda no MEC

Qualquer que seja escolhido para o Ministério da Educação, não mudam as orientações na pasta.

O grupo de onde sairá o futuro ministro é composto de olavistas, generais, terraplanistas, membros do Gabinete do Ódio, afora os mentirosos de plantão que gravitam em qualquer destes grupos.

Já está provado que não é a competência técnica o mais importante. Nem a tal da meritocracia.

Vale ser bolsonarista, camuflado ou não após a descoberta do Queiroz.

A fidelidade canina ao chefe está acima de tudo.

O Brasil das ruas? Abaixo dos sapatos dessa gente.

Deixe uma resposta