Os olhos felizes

Coaracy Fonseca é promotor de Justiça e ex-procurador Geral de Justiça

Faleceu Thiago de Mello. O mundo hoje me pareceu mais curto ou será o sentimento de alguém que viveu intensamente o século passado?

Não sei…

Tudo é muito rápido hoje, até a passagem das pessoas que amamos.

Paulinho da Viola confessou ser um homem do Século XIX e questionou a sua presença em um mundo tão rápido e fugaz.

Eu, de mim para mim, peguei o mesmo bonde. De repente, estava diante de gênios da música: Yamandu Costa e Dominguinhos, no mesmo espaço que anunciou a passagem do Poeta maior.

Dominguinhos conseguia sorrir com os olhos, na cadência dos lábios, algo que destoa dos sorrisos plásticos do mundo cibernético.

É melhor ser alegre do que triste. Disse alguém permanente em minha vida. Mas hoje passei a observar os sorrisos, mas não sorrisos dos lábios.

É preciso sorrir com os olhos na cadência dos lábios. Jamais o sorriso do homem que rir, pelo rosto deformado, de Victor Hugo.

Hoje passei a observar os olhos, com os pés de galinha, daqueles que não escondem o transeunte da vida e, por isso, carregam num só gesto o sorriso nos olhos e nos lábios, que exautam a suprema alegria de viver o instante, o que vai ficar na fotografia.

Ah, Sagres marcou a minha vida, com os dois que me completam. Acho que sorri com os pés de galinha e tudo mais.

Que coisa louca!

Ao Poeta Thiago de Mello, que marcou a minha juventude.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.