Grupos pró-Bolsonaro associam onda de crimes a acordo entre governadores do NE e Lula

Grupos de Whatsapp mantidos por seguidores do presidente Jair Bolsonaro estão em plena atividade na difusão de notícias falsas, que buscam criminalizar o PT…

Grupos de Whatsapp mantidos por seguidores do presidente Jair Bolsonaro estão em plena atividade na difusão de notícias falsas, que buscam criminalizar o PT e os governadores do Nordeste, além de justificar possíveis ações fora do que determina a Constituição Federal para que Bolsonaro possa governar o país sem oposição.

Estes grupos também são alimentados por pastores de igrejas evangélicas de todo o país.

O blog participa de 2 deles: “Associação Primeiro Amor” e “3ª Força – Complexo BB” além do “Alagoas Política Tudo que Há” (mistura de anti e pró Bolsonaro). Neles há até ex-presidente da OAB alagoana engajado na tarefa de desqualificar o trabalho de jornalistas e sites em investigações sobre a era Bolsonaro.

O mais recente dos disparos de mensagens diz que o ex-presidente Lula, preso na carceragem da Polícia Federal em Curitiba, recebeu os nove governadores do Nordeste para uma reunião, cujo “cérebro” foi o ex-ministro José Dirceu. Objetivo? “A tomada do poder”.

Associa, por exemplo, como parte deste plano a ação de grupos de criminoso no Ceará (governador pelo PT) e Pará.

Zé Dirceu, explicam os disparos das mensagens, “mapeou” o Brasil com Cuba, através dos médicos que trabalharam no país durante o Mais Médicos. E mostra preocupação quanto ao futuro de Bolsonaro e fala que a solução é matar. “Estou muitíssimo preocupado o Bolsonaro vai acabar priorizando estes combates pois assim será e está sendo cobrado em detrimento de poder governar . Não está fácil estamos em matar ou morrer a médio prazo”.

Os disparos de mensagem buscam manter o clima de terrorismo da campanha eleitoral e “revelam” até um rombo trilionário no BNDES- associado, é claro, ao PT- e aspas do ministro Paulo Guedes (sem revelar a fonte da informação).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *