BLOG

Na pandemia, Assistência Social atrasa distribuição de cestas aos mais pobres

Após prometer, em maio, distribuir 250 mil cestas básicas às famílias mais pobres de Alagoas nos primeiros 15 dias de junho, a Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social atrasou a entrega e ainda não tem uma data para fazer esta distribuição.

As cestas servirão para diminuir os efeitos da pandemia e da fome. Números da Central Única das Favelas em Alagoas (Cufa/AL) indicam que 50 mil famílias vivem em estado de insegurança alimentar e nutricional. 20 mil famílias moram em favelas, encostas, barreiras.

As cestas básicas devem ser destinadas às famílias que estão no Cadastro Único para Programas Sociais (CadÚnico). Segundo texto da Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social, publicado em 25 de maio, “A medida faz parte do pacote de auxílio do Vacina Alagoas, programa lançado pelo governador Renan Filho em abril para ajudar os municípios a acelerarem a vacinação contra a Covid-19 e dar suporte às famílias mais necessitadas por conta da pandemia”.

Ouvida, a Secretaria informou que a distribuição “está em processo”, mas sem informar datas.

Em 13 de abril, a ex-prefeita de Arapiraca, Fabiana Pessoa, assumiu o comando da Secretaria e prometeu “intensificar ações que beneficiem os alagoanos socialmente mais vulneráveis”, segundo texto distribuído à época por sua assessoria. Prometeu ainda firmar parcerias com o deputado federal Severino Pessoa, seu marido, e o ministro da Cidadania, João Roma, um dos líderes do Republicanos, partido presidido em Alagoas pela secretária.

As 250 mil cestas custarão R$ 17,2 milhões e foram compradas à Nordeste Distribuidora de Alimentos LTDA, com ampla experiência no mercado, atestada pelo blog: ela tem contratos com várias prefeituras alagoanas, também para distribuição de cestas. A empresa foi contratada “pelo menor valor ofertado, por meio de dispensa de licitação, aprovada pela Procuradoria Geral do Estado de Alagoas (PGE-AL), de acordo com a Medida Provisória Nº 1.047, de 3 de maio de 2021”, informou o Governo.

Cada cesta básica custou R$ 69,10 e terá 12 itens.

“A assinatura deste contrato celebra o investimento em 250 mil cestas básicas que irão beneficiar famílias em situação de extrema pobreza de todos os municípios do estado. Por meio da Seades, o Governador Renan Filho assiste aos mais vulneráveis, visando diminuir o impacto da fome neste período de pandemia e contribuir para a segurança alimentar dos alagoanos”, disse Fabiana Pessoa, ao assinar o contrato com a empresa em 25 de maio.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

SOBRE O AUTOR