Lauro Pedroza: Alagoas precisa de 3 semanas de lockdown severo

Ex-presidente do Sindicato dos Médicos de Alagoas e aposentado do Hospital Geral do Estado, o médico Lauro Pedroza é taxativo sobre o lockdown: ele precisa ser implantado imediatamente porque, do contrário, tanto os novos casos de coronavírus quanto as mortes vão continuar crescendo- incluindo o risco de colapso de leitos nos hospitais.

Qual o modelo de lockdown? “3 semanas, severo, com esforço concentrado, sociedade envolvida”. Para se programar “quem sabe” a reabertura de escolas, por exemplo, em agosto.

Nas condições atuais, pensar em “gente trancada em uma sala e com ar condicionado é o pior cenário”

Qual era o normal? Abrir para a praia, abrir para caminhada, usar alguns critérios de distanciamento, máscara. As pessoas não estão angustiadas dentro de casa? Vamos começar a abrir com isso aí, uma atividade ao ar livre. Igreja, cinema, escola são situações de grande contágio, principalmente a escola porque a criança e o adolescente não têm o nível de compreensão e responsabilidade de um adulto (…)

Ele diz que os casos graves em crianças e adolescentes são menos frequentes, mas eles se tornam focos de contágio do vírus, ele vai para casa.

Escolas, igrejas, cinemas, restaurantes “abrir só com segurança”. Quando? Nos modelos que se aplicam hoje, sem lockdown, “não sei”.

No modelo atual, o Governo discute reabrir, aos poucos, alguns serviços. Prorrogou esta reabertura gradual para o final de junho.

E daí que o risco aumenta não somente com novos casos.

Mais gente circulando pelas ruas, mais carros nas pistas significam acidentes.

Os acidentados vão para os hospitais, com leitos cada vez mais ocupados pelos doentes por coronavírus.

Deixe uma resposta