BLOG

Justiça intima morto a explicar surto esquizofrênico confundido com tráfico de drogas

O juiz Hélio Pinheiro Pinto, da 15° Vara Criminal da Capital, intimou Darlan William Chaves Almeida da Silva para explicar a acusação de tráfico de drogas. Acusação que surgiu após um surto do jovem, que era esquizofrênico. O caso aconteceu em Alagoas.

Ele terá de comparecer ao Centro Psiquiátrico Judiciário em 14 de abril.

Problema é que Darlan foi assassinado pela polícia em janeiro do ano passado. Num dos surtos, ele matou a avó cadeirante na cidade de Rio Largo. A polícia não conseguiu contê-lo (Darlan lutava artes marciais) e, numa ação atrapalhada, atirou no peito do jovem. Ele morreu no hospital da cidade.

Como a polícia é preparada para matar e perguntar depois, prevaleceu a versão de que ele era usuário de drogas.

Lógico: para justificar o assassinato de Darlan.

Veja o amigo leitor : o juiz Hélio Pinheiro não sabe que o jovem foi assassinado em janeiro do ano passado. Impossível ele dominar todas as etapas de todos os processos numa vara de entorpecentes, complexa e com milhares de histórias diferentes e tristes.

Só que o mais doloroso é o pai de Darlan, Allan, receber um mandado de intimação com o nome do filho para ele explicar uma acusação de tráfico quando o jovem em verdade tinha surtos esquizofrênicos.

Perdão Allan. O ser humano ainda precisa desenvolver a solidariedade.

2 respostas

  1. Não há justificativa nenhuma para o equívoco do juiz, considerando que o processo penal, além de ser público, o registro das mortes, inclusive as da polícia, é também publico. O caso é de negligência mesmo, e o responsável pela falha deve ser punido.

  2. Nada justifica o erro do magistrado a não ser descaso, negligência, incompetência. Por que foi poupado na matéria? Senhor juiz, por que atormentar uma familia que viveu os tormentos de ter um familiar com esquizofrenia?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

SOBRE O AUTOR