Especialista conta como as novidades relacionadas ao Pix pode ser positiva para os brasileiros

CEO da Vallus Capital relata como o aumento do IPCA diminui o poder de compra e comenta as novidades do Banco Central

Da assessoria

Desde 2020 empresas passam por uma situação difícil com relação aos lucros e capital de giro. Devido a pandemia, diversos negócios fecharam e tiveram que se adaptar à nova realidade. Tudo o que está acontecendo atualmente também impacta o consumidor, que teve que lidar com o aumento dos preços.

A inflação tem sido um grande problema no Brasil, mas as projeções para os próximos meses e até mesmo anos é positiva. Caio Mastrodomenico, CEO da Vallus Capital, relata que as medidas adotadas pelo Banco Central vêm sendo positivas tanto para o mercado como para o público geral. “Recentemente, com o Pix, já percebemos uma boa mudança de hábito do consumidor, que passou a utilizar o método para pagamentos, evitando até mesmo a taxa de máquinas de cartão de crédito”, conta.

Segundo o índice Focus, divulgado pelo Banco Central na última semana, o IPCA está em alta durante esse ano, de 5.04% para 5.06%, sendo que no último mês estava em 4.85%. Para os próximos anos, existe a projeção que queda desses números e, em 2023 o índice passa a ser de 3.25%.

Para Caio, é importante manter esses valores caiam nos próximos meses para estimular cada vez mais os consumidores e, consequentemente, aquecer o mercado. “É possível perceber como o aumento da inflação prejudica tanto os empresários como o público final, fazendo com os preços de produtos simples aumentem e o poder de compra diminua”, o CEO relata.

A última novidade do Banco Central que pode vir para ajudar a população brasileira são as novas modalidades do Pix, que além de pagamento poderão ter também as opções de Saque e Troco. No momento o projeto está em consulta pública, mas o objetivo é liberar quatro saques gratuitos ao mês, com limite máximo de R$ 500.00. Os detalhes ainda estão sendo discutidos e devem ser divulgados em breve. “Nós acreditamos que essas questões tragam melhorias contínuas para o mercado brasileiro e também é um papel da Vallus fazer com que as empresas consigam trabalhar e gerar empregos”, ele finaliza.

*Caio Mastrodomenico é CEO da Vallus Capital. Pós-graduado em Mercado financeiro e de capitais e comentarista político e econômico

Sobre a Vallus

A Fintech de Antecipação de Recebíveis foi criada pelo empresário Caio Mastrodomenico no início do ano de 2020, com o intuito de auxiliar empresas a manterem uma boa organização financeira de seus negócios, através de uma nova modalidade de crédito, a antecipação de vendas a prazo. Atualmente, a empresa possui um crescimento de 1.300%. Além disso, conta com mais de 100 clientes e antecipa títulos de até R$500.000,00 para pequenas e médias empresas. Para mais informações, acesse https://www.vallus.com.br/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *