Como inovar nas PMEs?

Por Alexandre Pierro

A inovação tem sido a principal estratégia adotada por grande parte das PMEs como forma de garantir sua sobrevivência no mercado. Com uma ampla democratização, as organizações possuem à sua disposição uma gama variada de ferramentas completas e acessíveis, capazes de elevar significativamente os resultados operacionais desejados. Medida que hoje, se torna o grande diferencial competitivo de todas elas.

Com o início da pandemia, a necessidade de transformação digital se tornou ainda mais evidente para que as companhias continuassem atendendo as demandas de seus clientes – além de evitar piores resultados financeiros. Dados divulgados pelo Sebrae, mostram essa preocupação: 41,9% das PMEs passaram a adotar recursos inovadores em seu negócio desde 2020.

Mesmo sendo uma demanda latente, muitos empreendedores ainda cometem um equívoco enorme ao acreditarem que essas ferramentas são caras e apenas para acesso às grandes corporações. Ou ainda, que se faz necessário ter um conjunto completo em uso, desde robôs até softwares sofisticados de inteligência artificial e machine learning.

Ambos os pensamentos são completamente divergentes da realidade. Muitos resultados podem ser obtidos com investimentos simples e insignificantes, se levarmos em consideração os tamanhos avanços tecnológicos que temos atualmente. Dentre tantas ofertas, as pertencentes à Indústria 4.0 são as mais recomendadas para a recuperação econômica no pós-pandemia. Não somente por serem mais acessíveis, mas principalmente por apresentarem uma maior durabilidade quando comparadas à outras disponíveis.

Com elas, não é preciso se preocupar em ter altos gastos para manter uma infraestrutura de TI, por exemplo. Há muitas tecnologias de baixo custo, como Blockchain, Business Intelligence (BI) ou mesmo os dahsboards, que podem mostrar em tempo real como está cada um dos processos da empresa, aumentando significativamente a sua eficiência.

Aquelas empresas que redirecionam seu foco para esse tipo de investimento, certamente conseguem aumentar a vantagem competitiva e crescer mais que seus principais concorrentes. Para isso, é importante que as empresas façam um diagnóstico completo do seu negócio, estabelecendo uma governança que mostre quais os resultados esperados, sem sair simplesmente adotando tecnologias sem um direcionamento estratégico pré-estabelecido.

Somente assim é possível saber onde e como investir os recursos da empresa – não somente os financeiros, mas também pessoas, tempo e a infraestrutura adequada para cada inovação desejada. Com um direcionamento certeiro, as pequenas e médias empresas tem muito mais chances de conquistar resultados inovadores excelentes para a prosperidade do seu negócio.

Alexandre Pierro é engenheiro mecânico, físico nuclear e fundador da PALAS, consultoria pioneira na implementação da ISO 56002, de gestão da inovação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *