BLOG

BRK opera em Maceió: ultraliberalismo, cidadão no lixo e os brioches

A BRK Ambiental começa a operar amanhã em 13 cidades (incluindo Maceió) no abastecimento e esgotamento sanitário num cenário perfeito e sem riscos: só há horizonte para lucros e mais lucros pelos próximos 35 anos.

É o sonho do ultraliberalismo: pouca ou nenhuma cobrança do Estado.

A Arsal, agência que vai fiscalizar a execução destes serviços, não tem pessoal nem estrutura administrativa para punir eventuais excessos da empresa.

O valor da tarifa cobrada ao consumidor, por exemplo, é um destes serviços. As decisões sobre valores finais ficam a cargo da empresa, já que a Arsal não tem gente qualificada para examinar (nem cobrar) as planilhas.

E o ritmo dos investimentos? A decisão será da BRK. Ela tem obrigação de, em 35 anos, investir R$ 2,6 bilhões- R$ 2 bilhões em até 8 anos, divididos assim: universalizar o abastecimento de água em seis anos e rede de esgoto para 90% da área leiloada até o 16º ano do contrato.

E neste meio tempo? Isso mesmo, amigo leitor: fica por conta da BRK.

Como os alagoanos vão saber o montante arrecadado pela empresa, por mês, e repassado aos cofres do Governo? A BRK opera uma concessão do serviço público. Portanto, o Ministério Público será provocado ou terá de agir nos casos de pouca ou nenhuma transparência.

Mais um ponto a favor da gigante do saneamento.

E o caso de tarifa social que for negado pela empresa? Como não há quem fiscalize a BRK, o prejudicado terá de procurar… a BRK. Ou comer brioches.

Quem vai multar a BRK se esgoto in natura esborrar para as praias de Maceió?

E como vamos saber os lucros da empresa com o explorado na região metropolitana?

O leilão de serviços da Casal foi vendido como uma simpatia para todos os males de Alagoas.

Foi assim com a Ceal, hoje Equatorial. Ou as empresas de ônibus na capital que mandam, desmandam e tratam a ralé como elas acham que a ralé deve ser tratada: um lixo à disposição do lixeiro.

1,5 milhão de alagoanos estarão ao dispor destes novíssimos mecanismos.

Oxalá estejamos na direção certa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

SOBRE O AUTOR