Governo crê que rearticulação da base na Assembleia dará novos rumos a Renan Filho

Dizer ainda haverá uma oposição duríssima ao governador entre os deputados do grupo de Marcelo Victor? Maioria dos 21 parlamentares é fisiológica. Precisa de cargos na máquina pública estadual para sobreviver nos redutos eleitorais e atender aos interesses dos prefeitos em 2020.

Não existem relações de amizade ou de afeto quando o que está em jogo são os interesses políticos.

É assim na Assembleia Legislativa. O deputado Marcelo Victor busca mostrar força entre os parlamentares para seu nome na disputa pela presidência da Casa.

Neste domingo, no sítio do deputado Bruno Toledo, o grupo espalhou a informação de que reuniu 21 deputados e na próxima terça-feira haverá nova foto, distribuída para a imprensa.

Um recado ao governador Renan Filho sobre a não-aceitação ao nome do deputado Olavo Calheiros para a chefia da Assembleia.

Diz-se que o governador joga duro ou ele constrói uma poderosa base de oposição porque Marcelo Victor é praticamente o novo presidente da Assembleia e isso respinga para o futuro.

Ora, a eleição será no dia 1 de fevereiro- daqui a três semanas. Tempos demais para gritos de “já ganhou”.

Dizer ainda haverá uma oposição duríssima ao governador entre os deputados do grupo de Marcelo Victor? Maioria dos 21 parlamentares é fisiológica. Precisa de cargos na máquina pública estadual para sobreviver nos redutos eleitorais e atender aos interesses dos prefeitos em 2020.

Vencendo Marcelo Victor ou Olavo Calheiros, o que eles ganham seguindo na oposição?

Uma fonte do Governo me disse que Renan Filho busca reorganizar a sua base na Assembleia e quer coerência nos discursos e na prática.

Existe também mais mobilidade a partir de agora: se Marcelo Victor ganhar as eleições, maioria dos 21 retorna, sim, para a base, mas em condições bem diferentes.

Isso porque Renan Filho quer, neste segundo mandato, uma administração mais técnica, com menos pressão da Assembleia.

Portanto, mesmo que perca e Olavo Calheiros não seja eleito na Assembleia, a base será reconstruída.

E o segundo mandato do governador tem problemas a resolver: a Casal e suas constantes faltas de água nas áreas onde turistas espalham selfies pelo mundo sobre suas visitas a Alagoas; a rodovia de acesso a Maragogi, passando por Japaratinga, que é um lixo a céu aberto, com crateras e sem sinalização; a lentidão das obras dos hospitais, prometidos no primeiro mandato e peças da campanha à reeleição.

Renan Filho disputará o Senado em 2022. São duas situações: sabe que seu rival é Fernando Collor, que buscará a reeleição e precisará renunciar ao mandato. Assume Luciano Barbosa e Marcelo Victor (ou Olavo Calheiros) estará na linha de sucessão ao Governo.

Maioria dos deputados será oposição por 4 anos? E a reeleição deles? Vai ser jogada fora, porque estarão sem espaços no Governo?

São perguntas, também, no tabuleiro de apostas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *