Confusão no Maceió Verão: Rui e Prefeitura silenciam; PM trata evento como privado

Qual a reação dos principais personagens em meio à confusão do primeiro dia do Maceió Verão, que acontece todos os sábados de janeiro? Pelas…

Qual a reação dos principais personagens em meio à confusão do primeiro dia do Maceió Verão, que acontece todos os sábados de janeiro?

Pelas redes sociais, onde circulam fotos e vídeos denunciado a falta de segurança do mega-evento, o prefeito Rui Palmeira (PSDB) silenciou.

A Prefeitura de Maceió, através da Secretaria de Comunicação, disse que quem falaria sobre o ocorrido era a empresa responsável: a Branco Promoções de Eventos e Editora Musical Ltda.

Por sua vez, a empresa deve se posicionar ainda hoje sobre o quê aconteceu.

A Polícia Militar disse que o evento era privado e fez a segurança do lado de fora dos cercados postos (ou impostos?) no estacionamento de Jaraguá.

O Maceió Verão é ideia da equipe do prefeito Rui Palmeira. Ônus e bônus também.

Entrevistado pela Secom, em áudio encaminhado a este blogueiro por e mail, disse o prefeito: montagem e segurança privada são de responsabilidade da empresa. Destacou: “A empresa realiza grandes eventos no Brasil, a exemplo do São João em Caruaru”.

Em Pernambuco, uma liminar da Justiça suspendeu, em outubro do ano passado, os pagamentos para Branco Promoções, responsável pelo São João de Caruaru.

Entre os motivos, além da contratação ser considerada irregular (sem licitação), um deles é curioso: ela tinha apenas 4 funcionários, uma Land Rover e patrimônio insuficiente para celebrar um contrato de R$ 3,6 milhões.

Anota o juiz: “Assim, constatando-se que a empresa contratada não suportaria a avença administrativa, servindo como instrumento para contratações diretas, configurada estaria  mais uma vez a burla ao procedimento de licitação, e o possível prejuízo ao erário, caso identificado que os valores pagos pelos serviços contratados não estejam compatíveis com os valores de mercado”.

Traduzindo: a empresa teria de contratar outras empresas, para segurança, comércio de bebidas, estrutura de palco etc. Terceirizou até a contratação de uma UTI Móvel, cujo veículo foi licenciado, pela última vez, em 2008.

Ou seja: a UTI Móvel sequer poderia circular para prestar um socorro.

Lembrando que isso foi em Caruaru.

Em Alagoas, a Branco Promoções de Eventos e Editora Musical LTDA é alvo de investigação do Ministério Público Estadual.

O MP quer saber se a forma de contratação da empresa foi legal.

O filme parece ter roteiro conhecido…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *