Ao minimizar papel de Judson Cabral, PT de Alagoas cria o Curupira ao contrário

Judson Cabral, ex-deputado estadual, 33 anos de filiação ao PT. Ele deixa o partido, provavelmente em direção ao PDT, do deputado federal Ronaldo Lessa,…

Judson Cabral, ex-deputado estadual, 33 anos de filiação ao PT. Ele deixa o partido, provavelmente em direção ao PDT, do deputado federal Ronaldo Lessa, e segue na política local.

Foi um quadro de destaque na legenda. Era voz quase isolada entre algumas expressões do próprio PT, ao enfrentar as urnas ao Executivo. Havia petistas alagoanos que desdenhavam de sua atuação na Assembleia Legislativa.

Judson tinha entre alguns petistas seus maiores opositores. Uma imagem curiosa. Curupira, o protetor das nossas matas, tinha os pés ao contrário para enganar seus inimigos. A natureza lhe deu uma estratégia própria de sobrevivência.

Bitolado em Lula e passado para trás nas eleições alagoanas, algumas vozes do PT local reinventaram Curupira. Ao invés dos pés virados, subia nas costas de quem lhe oferecia cargos na máquina pública. Corria na direção do penhasco para, no final, parasitar algum suculento animal em nome da “governabilidade”.

A saída de Judson Cabral mostra: estas vozes esvaziam o PT alagoano. Gritam no deserto e escutam o próprio eco. E submetem às ordens de outros caciques- os de Brasília- suas decisões, sem decidirem nada.

Expressões do PT alagoano fazem de Curupira personagem de circo. Para a risada geral. E a felicidade de quem manda no partido. E quem manda não é do PT.

Deixe uma resposta