Por que a senha do peixe é uma vaga no coração do prefeito?

A senha revela quem apoia o prefeito e seus candidatos a qualquer coisa nas eleições

A senha do peixe serve para muita coisa nos interiores alagoanos.

Um ritual antigo. O peixe é comprado com dinheiro público e distribuído como um arroubo de caridade do gestor, coisa de homem bom, uma promoção pessoal descarada da coisa pública.

A senha revela quem apoia o prefeito e seus candidatos a qualquer coisa nas eleições.

Diz, ainda, que quem não tem interesse nela, a senha, pode estar preparando um golpe contra o candidato oficial num futuro não tão distante. Sinal de que os olheiros da Prefeitura devem acompanhar os passos daquele possível inimigo- que, se confirmado, merece o ódio mais o desprezo mais as chateações e as ironias de quem estiver com o prefeito e seu grupo politico.

A senha do peixe reafirma também os lados sociais. Para a ralé é oportunidade de mesa farta incluindo a cerimônia do beijo-mão às autoridades, gesto de agradecimento pela lembrança aos pobres na semana do Cristo que venceu a morte e ressuscitou; para os comissionados, momento para mostrar extensões de influência (fui o primeiro a pegar a senha etc etc); para os efetivos, subserviência e segurança até de vida (funcionário que se recusa a aceitar a tarefa de distribuir a senha do peixe é transferido de setor mais perseguição, mais sufocamento psicológico, mais corte de salário, mais inclusão de parentes nas listas de riscos etc).

A senha do peixe reafirma, também, o instinto de se dar bem, inerente ao brasileiro. Coisas da nossa alma, reafirmada como de estima baixa; “deveria ser humilde e não é” e semelhantes ideias.

“Chegou aqui e disse que devia receber também, junto a senha, o tomate, a cebola, a batata. Não devia logo pedir numa marmita, não? Marminino…”.

A marmita em Alagoas é o símbolo, também, das boias-frias dos nossos canaviais. E quem corta cana nem tem prestígio social nem é citado nos palanques eleitorais. Vale para o sistema porque respira e vota.

Quem come em marmita vale tanto quanto quem tem fome no ritual da senha do peixe.

É para ser humilhado. É para ser desumanizado.
Ao mesmo tempo, ganhar um espaço de gente importante- sem valer muita coisa- no coração do prefeito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *