Professores da Ufal Sertão fazem carta em defesa de terceirizados

Delmiro Gouveia, 20 de agosto de 2018 Carta Pública à Comunidade Universitária, Nós, professores que abaixo assinamos, dirigimos esta representação aos diversos setores da…

Delmiro Gouveia, 20 de agosto de 2018
Carta Pública à Comunidade Universitária,

Nós, professores que abaixo assinamos, dirigimos esta representação aos diversos setores da Gestão da Universidade Federal de Alagoas para nos colocarmos em solidariedade aos trabalhadores terceirizados que ora ocupam as funções relacionadas aos serviços gerais no Campus do Sertão, objetivando a publicização de uma crise instalada, há meses, entre estes trabalhadores.

Desde 2016, temos denunciado o aprofundamento da precarização que o Projeto de Lei 4330/04 traria para os trabalhadores terceirizados, uma vez que estes, via de regra, estão em posição sempre mais insegura e precária, se comparados a outras modalidades de contratação.

Neste caso, porém, os comentários dão conta de supostas complicações na gestão e na fiscalização do contrato, assim como de pretensa relação improba entre a contratante, a Universidade Federal de Alagoas e a empresa terceirizada. Não nos ocupa, de modo algum, o sentimento de perpetrar acusações infundadas ou de inferir dolo ou culpa a quem quer seja. No entanto, o fato concreto é que alguns
trabalhadores têm dado sinais evidentes de sofrimento mental, o que não coaduna com o ambiente Universitário que desejamos.
Por isso, viemos, por meio deste, requerer às diversas instâncias administrativas da Universidade:

i) ampla e irrestrita transparência ao caso, com apuração da existência de excessos morais;

ii) verificação da natureza da relação entre a gestão e fiscalização do contrato com a empresa, reiterando se os aspectos legais estão sendo todos observados;

iii) publicização dos motivos das demissões que foram realizadas ao longo do ano de 2018, bem como para que a empresa torne público à comunidade universitária o modus operandi de sua relação com os referidos trabalhadores.

Solicitamos, ainda, sem que isto signifique pré-julgamento, que seja efetivada a suspensão da fiscalização e gestão dos contratos referentes aos trabalhadores terceirizados por parte dos atuais servidores até que sejam apuradas tais denúncias.

Sugerimos que, em caráter transitório, os contratos sejam geridos por um corpo técnico distante do Campus do Sertão e que a Administração Central conceda as condições adequadas para gestão e fiscalização destes contratos até o fim desta investigação.

Por ora, cumpre-nos reiterar nosso compromisso com o bom funcionamento de nossa Universidade. É por este exato motivo que não queremos citar nomes nem disseminar versões sobre o ocorrido. Nosso desejo é, primordialmente, pelo restabelecimento da saúde dos trabalhadores, que com tanto denodo garantem a limpeza e o nosso bem-estar no Campus do Sertão, em Delmiro Gouveia.

Para garantir maior celeridade e clareza ao que solicitamos, segue um breve sumário:

1. Diante das demissões ao longo deste ano, solicitamos informações documentais, e também presenciais, sobre os motivos dos desligamentos, assim como o processo de seleção dos novos trabalhadores;

2. Pedimos, mui encarecidamente, que nos seja esclarecida a natureza da relação que a gestão e a fiscalização do contrato estabelecem com a empresa, assim como os procedimentos de comunicação e monitoramento do trabalho dos terceirizados;

3. Solicitamos, ainda, que nos seja esclarecida a natureza da relação que a gestão e a fiscalização do contrato estabelecem os trabalhadores terceirizados;

4. Por fim, mas não menos importante, requeremos informes detalhados sobre as reuniões realizadas entre a gestão do campus e os trabalhadores terceirizados, em especial a ocorrida no último sábado, dia 18 de agosto de 2018.

Aruã Silva de Lima
Lucas Lima Gama
Carla Taciane Figueiredo
Marcos Ricardo de Lima
Ana Cristina Conceição Santos
Mônica Regina dos Santos
Cezar Alexandre Neri
Gabriel Soares Badue
Suzana Santos Libardi
Gustavo Manoel da Silva Gomes
José Menezes Gomes
Leônidas de Santana Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *