Episódio dos gaiolões reforça necessidade de demissão de Antônio Moura da SMTT

As catracas altas são os gaiolões. Passageiros reclamam que os gaiolões atrapalham o direito de ir e vir, impedem outros de passarem no equipamento, humilham quem já é humilhado por andar no transporte urbano de Maceió

Antônio Moura, superintendente Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT).

Câmara de Vereadores de Maceió: elabora as leis.

Em 16 de maio, ao derrubarem veto do prefeito Rui Palmeira (PSDB), os vereadores da capital disseram: os ônibus não podem circular com catracas altas.

O prefeito queria as catracas altas.

Elas são os gaiolões. Passageiros reclamam que os gaiolões atrapalham o direito de ir e vir, impedem outros de passarem no equipamento, humilham quem já é humilhado por andar no transporte urbano de Maceió, pagando caro por algo caindo aos pedaços, sem fiscalização da Prefeitura.

Pois bem: final do mês de maio, a lei que proibia os gailões foi publicada no Diário Oficial do Município.

O Sinturb, que representa os interesses das empresas de ônibus, não cumpriu a lei.

A SMTT da gestão Rui Palmeira- que queria manter as catracas altas nos ônibus- deu 30 dias para a lei ser cumprida.

O prazo venceu no dia 30 de junho.

O Sinturb não cumpriu a lei.

Nove dias depois do início do mês de julho (por que tanto tempo assim?), Antônio Moura engrossou: ameaçou lacrar os ônibus e multar as empresas.

O sindicato emitiu uma nota dizendo ter encaminhado ofício à SMTT perguntando qual a catraca ideal para os ônibus.

Enquanto isso, segue a humilhação aos passageiros de ônibus: os gaiolões continuam.

Antônio Moura- é uma defesa do blog- deveria ser demitido faz tempo do comando da SMTT.

Demitido porque quem manda por lá são os donos dos ônibus.

Se fosse diferente, a lei que proíbe os gaiolões teria sido cumprida em prazo acordado pelo todo-poderoso da superintendência. Ou seja? Final de junho.

E não foi.

Obedece quem tem juízo.

Nesta terça, os donos dos ônibus continuam a mostrar quem manda em Maceió.

O resto da história? É conhecido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *