Veja aqui a defesa de Bolsonaro a condenado por matar mãe de Rodrigo Cunha

O presidente da Câmara era Michel Temer; no plenário estava Jair Bolsonaro, único a defender publicamente aquele que já considerado o assassino da mãe do hoje senador Rodrigo Cunha.

Quarta-feira, 7 de abril de 1999, Câmara dos Deputados, Brasília. Sessão para cassar o mandato do deputado Talvane Albuquerque, suplente que assumiu o mandato e acusado de matar a titular do cargo, Ceci Cunha, em 16 de dezembro de 1998, três meses antes daquela sessão.

O presidente da Câmara era Michel Temer; no plenário estava Jair Bolsonaro, único a defender publicamente aquele que já considerado o assassino da mãe do hoje senador Rodrigo Cunha.

Bolsonaro disse que, em toda sua vida parlamentar, não conversou 10 segundos com Talvane; disse que sua consciência estaria pesarosa por cassar o deputado “porque amanhã qualquer um de nós pode estar no lugar dele”.

Outros deputados- disse Bolsonaro- concordavam: não tinham convicção que Talvane havia mandado matar Ceci Cunha. Mas, havia a acusação de que o parlamentar teve contato com Chapéu de Couro.

Chapéu de Couro ou Maurício Guedes era pistoleiro e acusado na morte de Ceci. Tinha outros crimes nas costas.

Bolsonaro defendeu o encontro de Chapéu de Couro com Talvane. “Mas quem aqui nunca teve contato ou conversou com um marginal?”, perguntou o deputado, hoje candidato a presidente da República.

Não adiantaram os apelos de Bolsonaro. Talvane foi cassado por quebra de decoro parlamentar. Placar: 427 votos a favor, 29 contra, 21 abstenções, 1 voto em branco. A votação foi secreta.

Em 19 de janeiro de 2012, Talvane foi condenado a 103 anos mais 4 meses de prisão pelo assassinato de Ceci Cunha.

19 anos depois da sessão que cassou Talvane, Rodrigo Cunha, o filho da deputada assassinada, cruzou o caminho de Bolsonaro.

Nas redes sociais de Cunha, ao escrever longa carta sem dizer claramente seu voto na disputa presidencial, o novo senador é bastante atacado por bolsonaristas.

E alguns revelam os bastidores da campanha do novo senador e sua associação a Bolsonaro.

Eles dizem que Rodrigo esteve lado a lado com candidatos do PSL, partido de Bolsonaro, pedindo votos ao Senado; falam de distribuição de adesivos das equipes de Rodrigo Cunha junto aos do presidenciável; citam o discurso na orla de Maceió, uma semana antes da eleição, em que Rodrigo falava com pessoas ao final de uma caminhada pró-Bolsonaro; dizem que Flávio Moreno, que era postulante ao Senado pró-Bolsonaro, pedia o segundo voto a Rodrigo.

O senador eleito sempre negou a associação.

O blog publica a nota taquigráfica com as declarações de Bolsonaro sobre Talvane- condenado por matar Ceci Cunha.

O SR. JAIR BOLSONARO (PPB-RJ. Sem revisão do orador.) – Sr. Presidente, em toda minha vida parlamentar não conversei por mais de dez segundos com o Deputado Talvane Albuquerque. Não tenho absolutamente nenhum contato, nenhum grau de amizade com S.Exa, mas fico com a minha consciência pesarosa de votar pela cassação desse Parlamentar, porque amanhã qualquer um de nós pode estar no lugar dele.

Conversei com dezenas de Parlamentares que pensam da mesma maneira e nenhum falou com convicção de que S.Exa. seria o mandante do crime. Se bem que, segundo o Relator, não estamos discutindo o mérito dessa questão, mas, sim, o contato do Deputado Talvane Albuquerque com Chapéu de Couro. Pelo que me consta, a não ser que ele seja maluco, Chapéu de Couro não prestaria depoimento num processo se tivesse consciência de que havia prisão preventiva decretada contra ele ou se fosse um foragido da Justiça.

Sr. Presidente, é mais do que uma cassação de mandato. Praticamente estamos condenando o Deputado Talvane Albuquerque por ser o mentor ou autor do assassinato de uma companheira — e não concordo com o assassinato de ninguém nesta Casa; estamos condenando S.Exa. por ter tido contato com um cidadão, um elemento que foi marginal no passado, e que, pelo que me consta, tinha livre trânsito pelo Brasil. Mas quem aqui nunca teve contato ou conversou com um marginal?

Se falarmos em conversa cifrada — fugiu-me agora a palavra —, meus companheiros, temos de nos lembrar que há alguns meses assistimos, no Senado Federal, a um depoimento de autoridades do Executivo, com uma fita gravada, também com palavras cifradas, envolvendo a venda de estatais. Mais grave do que conversar com marginal é conversar com marginal de colarinho branco!

E é para isso que peço a atenção dos meus companheiros. E peço aos meus eleitores, que me ouvem através da TV Câmara, que, por favor, me entendam: não estou defendendo um marginal nem quero acusar um inocente de absolutamente nada; esta é apenas a minha posição. E eu não poderia dormir em paz se não
falasse neste momento por alguns minutos.

Era o que tinha a dizer.

One thought on “Veja aqui a defesa de Bolsonaro a condenado por matar mãe de Rodrigo Cunha

  1. RELATE OS CRIMES DO PARTIDO QUE VOCÊ DEFENDE, DESDE CELSO DANIEL. O NOME DO PRINCIPAL ARTICULADOR, QUE ESTÁ PRESO. SE DEFENDE É PORQUE FAZ PARTE DESSA ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA E ESTÁ COM MEDINHO.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *