AM: Motorista é assassinado 1 dia após denunciar tortura de PMs

O motorista Olney Feiras da Silva, morto a facadas nesta terça-feira (18) um dia após ser detido e liberado durante abordagem policial, fez denúncia…

O motorista Olney Feiras da Silva, morto a facadas nesta terça-feira (18) um dia após ser detido e liberado durante abordagem policial, fez denúncia contra policiais militares um dia antes do crime. Na segunda (17), ele alegou ter sido torturado durante a ação.

As informações são do G1. A policia ainda não se pronunciou.

A vítima foi detida na noite de segunda junto a outros três homens, após uma denúncia sobre tráfico de drogas. Na ocasião, um advogado também foi preso ao tentar subornar policiais para liberar dois dos detidos, que eram clientes dele.

Segundo a Polícia Civil, Olney Silva, que atuava como motorista de aplicativo de transporte privado, foi levado com o grupo para o 15º Distrito Integrado de Polícia (DIP) por suspeita de partipação nos crimes. Entretanto, na unidade, a polícia constatou que ele não tinha envolvimento no caso.

Após ser liberado, ele registrou um Boletim de Ocorrência no 15º DIP, em que alegou ter sido vítima de tortura. No documento, ele afirmou que foi agredido por policiais militares durante a ocorrência.

A Polícia Civil informou por meio de nota que uma equipe da Corregedoria Geral do Sistema de Segurança foi até a delegacia e orientou todos, incluindo a Comissão da OAB-AM, que entrasse com as comunicações ou representações ao órgão para denunciar possíveis irregularidades.

Encontrado morto
Por volta de 11h desta terça (18), Olney Silva foi encontrado morto dentro do veículo que usava para trabalhar. O carro estava em uma rua na comunidade Alfredo Nascimento, bairro Cidade de Deus, Zona Leste de Manaus.

Segundo a polícia, ele foi morto a facadas, cerca de sete no total. Dentro do veículo foram encontradas duas camisas que não eram pertencentes à vítima, junto a uma quantia de R$121. O celular da vítima foi levado.

Fonte: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *