Venda da Ceal confirma impunidade a quem quebrou estatal

A venda da Ceal – ainda sem data, mas com todo empenho da era Michel Temer para acontecer este ano- será a pá de…

A venda da Ceal – ainda sem data, mas com todo empenho da era Michel Temer para acontecer este ano- será a pá de cal na tentativa de descobrir quem destruiu ou roubou o patrimônio da empresa.

E confirma a ideia- errada- de que o público é ruim e o privado é cheio de virtudes.

Medalhões da política local mais usineiros destruíram a Ceal. Eles não serão punidos. A privataria cobriu a questão como um véu. Meia dúzia comemora a compra da Ceal e o apagar das luzes a respeito do seu passado.

Aconteceu o mesmo com o Produban. Usineiros mais barões da política alagoana empurraram o banco estatal para falência. E nada mudou. Somente a impunidade permanece.

No país em que uma operação de combate à corrupção não mexe com estratos mais profundos dos poderes, a venda da Ceal segue uma lógica perversa: excluir o passado para não manchar os homens com bens. Sem recuperar o dinheiro que encheu os bolsos, dinheiro do povo, dinheiro nosso.

Privatizar fará bem a uma minúscula parcela dos endinheirados locais. Os mesmos que puseram a Ceal num caixão.

One thought on “Venda da Ceal confirma impunidade a quem quebrou estatal

  1. E o que mim deixa mais triste é se passarão todo esse tempo do governo petista e não conseguiram reaver todo esse recurso que foi de ralo abaixo. E o pior as usinas tudo quebrando e ninguém faz nada para pelo menos fazer voltar esse dinheiro em forma de desapropriação de terras e se fazer uma Reforma Agrária digna de respeito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *