Greve que paralisa todos os serviços públicos é desumanidade

Paralisação dos serviços penaliza apenas as pessoas que mais depende deles; uma gestão darwinista se preocupará com isso?

Existem muitas justificativas contra a administração Rui Palmeira.

Decreto de greve geral dos servidores públicos é a demonstração deste cansaço.

Mas o modelo, que é muito ruim, é pior para quem ainda precisa dele.

A população, por exemplo, não tem alternativas. Precisa do posto de saúde que funciona no improviso; da escola municipal tratada como um gesto de caridade e, portanto, funcionando de qualquer jeito.

Por isso um decreto de greve geral dos servidores que prejudica somente esta população já desassistida é um ato de desumanidade.

Quando houve a greve dos bancários, o esforço dos bancos em acabar com a paralisação foi mínimo. Ou nem existiu. E estamos falando de instituições com recordes de lucros a cada ano.

No caso da gestão Rui Palmeira, acossada pelas medidas temerárias, qual a garantia de sensibilização das equipes burocráticas da Prefeitura para que creches continuem a funcionar?

Será que uma administração neoliberal, com toques de darwinismo social, derramará uma lágrima por mendigos sem abrigos municipais ou idosos sem gente nos postos de saúde para recebê-los?

Greve geral que suspende o atendimento a todos os serviços públicos não é greve. E sim mesquinhez.

Porque no final das contas quem depende do serviço público- e essa pessoa não é o prefeito- sentirá o peso da paralisação.

E não se pode cobrar apoio de um povo que só tem a oferecer os próprios ossos. Porque as carnes já lhe foram retiradas.

One thought on “Greve que paralisa todos os serviços públicos é desumanidade

  1. Então,qual é o caminho para exigir do gestor o que temos direito? Há três anos que, nós professores, não temos aumento. Que caminho seguiremos?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *