Existe acordo entre Renan Filho e Rui Palmeira para 2018? Aliados respondem

José Thomáz Nonô, nas tantas vezes em que foi perguntado sobre as eleições de 2014, dizia que a desistência do então governador Teotonio Vilela…

José Thomáz Nonô, nas tantas vezes em que foi perguntado sobre as eleições de 2014, dizia que a desistência do então governador Teotonio Vilela Filho (PSDB) em indicar um sucessor palaciano com capilaridade eleitoral “deixou uma estrada larga” para Renan Filho.

Na época, Nonô estava na lista dos prováveis sucessores de Vilela. Era vice-governador.

Sucedeu, então, que Vilela indicou Eduardo Tavares, então secretário de Segurança Pública, ao Governo. E anunciou- Vilela- que não disputaria o Senado a pedido da família.

Eduardo Tavares desistiu pouco mais de 1 mês após ser lançado em convenção, foi substituído por Julio Cezar, que foi derrotado, mas a eleição governamental ajudou ambos dois anos depois: se elegeram prefeitos de Traipu e Palmeira dos Índios.

4 anos depois, Rui Palmeira desiste da disputa ao Governo. Alegou os mesmos motivos de Vilela: questões familiares.

O que dizem os aliados? Há acordo entre os dois lados?

“Não”, dizem. “Tanto que Rui vai estar na eleição, não como candidato, mas apoiando um nome que seja oposição aos Calheiros”.

“E quando Téo Vilela era governador a questão era totalmente diferente de Rui. O Rui não tem apoio nem dos aliados do próprio grupo político”.

Se não tem apoio nem dos aliados, o nome disso não é traição?

“Não, faz parte do jogo”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *