Esquema na Assembleia: Comissionados de deputados ganhavam mais que ministros do STF

Na ação de improbidade administrativa que tornou réus o conselheiro do Tribunal de Contas, Fernando Toledo, e o deputado Marcelo Victor, pelo desvio de…

Na ação de improbidade administrativa que tornou réus o conselheiro do Tribunal de Contas, Fernando Toledo, e o deputado Marcelo Victor, pelo desvio de dinheiro do contrato assinado entre a Caixa Econômica Federal e a Assembleia (para gerenciamento da folha de pagamento do legislativo estadual), o Ministério Público Estadual mapeou os caminhos do dinheiro. Milhões de reais que simplesmente evaporaram da conta pública da Assembleia.

O dinheiro deste contrato foi depositado em 3 de setembro de 2012: R$ 3.900.789,47. Os saques começaram no dia seguinte, conforme extrato bancário anexado à ação de improbidade.

Os maiores beneficiados foram os réus da ação: Fernando Toledo e Marcelo Victor.

Para o dinheiro chegar aos seus assessores, Toledo inventou folhas suplementares consideradas ilegais e indevidas pelo MP.

E distribuiu o dinheiro para 18 assessores. Eles receberam, ao todo, R$ 876.089,42.

O mais estranho é que, quem recebia a verba pública aos borbotões, eram pessoas em condições especiais.

Joana D’arc da Silva, por exemplo, recebeu R$ 104.993,77 da Assembleia, mesmo sendo beneficiária do Bolsa Família. Trabalhando no gabinete de Fernando Toledo, ganhava R$ 640,08. Numa jogada da Casa, recebeu em 1 mês, 100 vezes o valor do seu salário. Três vezes mais que um ministro do STF, o maior salário do país no funcionalismo público.

A filha dela, Iris da Silva Goveia, também recebeu R$ 104.993,97. Assim como o marido de Joana, Gildo Goveia dos Santos, R$ 65.274,69.

Conclui o MP: “Daí se conclui que, somente essa família, de perfil “Bolsa Família”, recebeu R$ 275.262,23 dos cofres da ALE.”

Marcelo Victor também usou a mesma estratégia de Fernando Toledo, segundo o MP. 24 assessores receberam R$ 1.161.363,64, incluindo o prefeito da cidade de Roteiro (na época), Wladimir Chaves de Brito: R$ 22.459,22.

Maria Silvania Gama Macedo, do gabinete de Marcelo Victor, recebeu R$ 51.249,63 em setembro de 2012.

Manoel Martiniano Ribeiro, secretário parlamentar do deputado, ganhou R$ 39.147,42 no mesmo mês e ano de Maria Silvania

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *