É lei: Falar sobre sexo e palavrão podem levar professor à prisão em AL

Se um professor soltar um palavrão em sala de aula, pode ser denunciado por qualquer aluno à Prefeitura ou ao Ministério Público Estadual, para que sejam tomadas as medidas judiciais contra o profissional

Professores municipais de Junqueiro, Pilar e Murici podem ser demitidos e até irem para a cadeia se falarem sobre sexo ou soltarem palavrões em salas de aula, segundo o projeto de iniciativa popular “Infância Sem Pornografia”, nos mesmos moldes do Escola Sem Partido, cuja implantação foi suspensa, em Alagoas, por liminar do ministro do STF, Luis Barroso, em 22 de março do ano passado.

Barrados pelo ministro, os defensores alteraram alguns artigos, copiaram outros da antiga lei e mudaram o nome do projeto. De Escola sem Partido virou Infância Sem Pornografia. Apresentaram estes projetos nas câmaras de vereadores de Junqueiro, Pilar e Murici e conseguiram aprovação dos legislativos municipais.

De acordo com o parágrafo 3º, “a apresentação científico-biológica de informações sobre o ser humano e seu sistema reprodutivo é permitida, respeitada a idade apropriada”.

O projeto não fala qual a idade apropriada para a abordagem do assunto.

Quem desobedecer a “idade apropriada” ficará sujeito à multa, afastamento do trabalho, demissão e até prisão.

Pornográfico ou obsceno é áudio, vídeo, imagem, desenho ou texto escrito ou lido “cujo conteúdo descreva ou contenha palavrões, imagem erótica ou de órgãos genitais, de relação sexual ou ato libidinoso”, diz a lei.

Se um professor soltar um palavrão em sala de aula, pode ser denunciado por qualquer aluno à Prefeitura ou ao Ministério Público Estadual, para que sejam tomadas as medidas judiciais contra o profissional.

A base do projeto são cartilhas falsas, segundo os defensores da ideia distribuídas pelo Ministério da Educação, mostrando atos libidinosos entre crianças menores de 10 anos, incluindo meninos de 6 anos com o pênis ereto.

O movimento Escola Sem Partido é nacional. Objetivo é controlar o conteúdo dado por professores chamados de “comunistas” nas salas de aula.

3 thoughts on “É lei: Falar sobre sexo e palavrão podem levar professor à prisão em AL

  1. Interessante essa lei de escola sem partido. Quando a escola atendia somente o interesse da elite podia se falar em política. Agora, que uma grande quantidade de professores são oriundos da classe popular cria-se essa camisa de força contra o professor.

  2. KiriKu e a Feiticeira pode?
    Quanta besteira…
    As crianças: cantam funk, ouvem funk… daí? Chegam as escolas e viram anjos de candura.
    Hipócritas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *