Texto para quem sentirá saudade da Filosofia

Como pesquisadora na área educacional venho da História e Política da Educação Brasileira. Os legados humanos se tornaram prioridades, porque são maiores do que…

Como pesquisadora na área educacional venho da História e Política da Educação Brasileira. Os legados humanos se tornaram prioridades, porque são maiores do que aquilo tudo que nossas vistas alcançam na cotidianidade. São apaixonantes!

Nesta jornada pela busca do crescimento humano a Filosofia é mar profundo, no qual o prazer do mergulho não pode ser descrito na íntegra!

Mas para compreender o dialeto próprio da problematização do ser é preciso estar apto ao mergulho, à busca de ângulos específicos de visão, para emergir com gosto de herdeiro dos saberes, e se apropriar dos tais, aplicando-os nas outras áreas da vida.

Eis que a Filosofia serve de impulso para o gosto pela demais áreas dos saberes formais.

Mas neste exato momento histórico e político, estará sendo retirada do currículo, nas escolas. E deixará muito mais do que saudade, deixará um vazio.

Eis que um adolescente de 13 anos chega em casa com um problema, pedindo ajuda para a mãe, pois foi comunicado pela escola que no próximo ano letivo não terá uma das disciplinas que mais gosta, ao lado de Matemática: Filosofia.

A mãe conhece as razões pelas quais o fenômeno está a ocorrer, mas desentranhar tal explicação para o filho é desafiador, pois a sensibilidade interfere, e seria infinitamente mais agradável poder dizer que vai manter tudo do jeito que ele gosta. Mas essa solução não está em suas mãos.

Faz parte de uma nova política de governo, e mesmo sob a discordância de coordenadores e professores, será efetivada, entre as medidas que reduzirão drasticamente o acesso dos alunos às disciplinas da área das Ciências Humanas, pois algumas se tornarão optativas.

Mas o fato de ter um adolescente que gosta de Filosofia e tenta mobilizar a família para a defesa de sua manutenção no currículo da sua escola, é extremamente animador! Pois na prática , confirma o erro de tornar o campo dos saberes capenga, desmembrado, fragmentado.

A escola é dos saberes! Os saberes são das gentes! E essa onda de turbulência não será maior nem mais forte do que a ontologia que nos conduz à busca do conhecimento do ser.

Para quem gosta de Filosofia, não será difícil compreender que Política é um campo neutro, onde as intencionalidades criam os cenários. E neste momento brasileiro, estamos entrando em cenário nebuloso, que tentará nos convencer sobre a importância única de agradar ao mercado e servi-lo.

Mas a História é dinâmica!

E a Geografia Humana atua nos territórios de interesses muito acima das forças do atraso.

Somos da Antropologia que reúne resistências e desistências humanas, deste nicho novas culturas se erguem, e a renovação é uma possibilidade aberta em cada vida, em cada escolha.

Eu diria então para o jovem guardar a Filosofia consigo, e acessá-la todas as vezes que sentir falta dela, através dos mecanismos tecnológicos e dos livros, que sempre recebem os autodidatas com gratidão.

Em sua história de estudante, o chão da complexidade do ser se afirma nesta experiência imensa que por certo, poucos alunos da sua idade perceberão.

Ao saber, à Filosofia e à busca, uma eterna e complexa saudação!

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *