Luzinete e o Dia das Mães transcendente

Mais um segundo domingo de maio, tempo emblemático que se forma sobre cada lar, a partir das situações que os comportam. Apesar do pano…

Mais um segundo domingo de maio, tempo emblemático que se forma sobre cada lar, a partir das situações que os comportam.

Apesar do pano de fundo comercial, a absorção afetiva existe, e o Dia das Mães se torna marcante.

Quando a regra é a celebração, como é bom presentear e ser presenteada!

Mas quando a dor passa rasgando, neste dia a alma dilacera.

O segundo domingo de maio de 2011 foi o mais triste da minha vida! Jamais esquecerei, porque foi o primeiro Dia das Mães com a ausência material de um filho, arrastando toda história de dor que a violência nos impôs.

Ontem, sábado, véspera do Dia das Mães, uma amiga que lutou com os hormônios bravamente pelo direito de ser mãe, foi sepultada. Deixando seus dois rebentos órfãos, a vivenciarem hoje o pior Dia das Mães de suas vidas!

Também ontem, soube que um colega de infância dos meus filhos foi assassinado, entrando para a esquecida estatística dos matáveis alagoanos, e aquela mãe…hoje, Dia das Mães…

Com foco nestes aspectos da vida tornada real, reviro as frases para a homenagem à mãe Luzinete, que pelos olhos da fé repousa nos braços da Mãe de Jesus, e recebe o presente da vida imortal no espírito coberta de preces.

As tentativas de gravidez que não lograram êxito, não intimidaram sua luta para engravidar. Para ela, ser mãe era algo supremo, que precisava conquistar.

Realizou o intento, e recebeu sua alegria! Mãe de um casal, teve por alguns anos na terra, o prazer da doação integral no cultivo dessas vidas, na parceria com o esposo.

Acreditando sempre que amor não morre, Luzinete continua sendo amor, em expressão sutilíssima, na altiplanas paragens, deixando para trás um corpo enfermo, e assumindo uma veste espiritual renovada e cintilante, pois amor é luz!

Neste sentido transcendente do amor, eu, mãe terrena com filho na espiritualidade, e Luzinete, mãe na espiritualidade com filhos na terra, recebemos de Maria de Nazaré a inspiração da continuidade da vida pelos fios inquebráveis do sentimento incondicional.

Digamos sim, Feliz Dia das Mães, para todas nós. Porque nem o presente, nem a presença, são condições únicas para a existência do amor maternal.

A todas as mães, nossa incondicional saudação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *