Escolas com Liberdade e Sem Censura: salve Flavio Dino!

“Todos os professores, estudantes e funcionários são livres para expressar seu pensamento e suas opiniões no ambiente escolar da rede estadual do Maranhão”, afirma…

“Todos os professores, estudantes e funcionários são livres para expressar seu pensamento e suas opiniões no ambiente escolar da rede estadual do Maranhão”, afirma o documento que o governador do Maranhão, Flavio Dino, fez valer; enquanto o país naufraga na sandice intencionalmente plantada pelo projeto Escola Sem Partido.

O Escola Sem Partido conta com apoio de conservadores, religiosos ortodoxos e políticos da linha fakes news star! Objetivo maior é promover  acriticidade, que serve como antídoto ao modelo autoritário que o Jair deseja implantar como nova cultura brasileira.

No Maranhão de Flavio Dino:

“Fica vedado no ambiente escolar:

I – o cerceamento de opiniões mediante violência ou ameaça;

II – ações ou manifestações que configurem a prática de crimes tipificados em lei, tais como calúnia, difamações e injúria, ou atos infracionais;

III – qualquer pressão ou coação que represente violações aos princípios constitucionais e demais normas que regem a educação nacional, em especial quanto à liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o pensamento, a arte e o saber.”

Baseado em uma criação mal intencionada denominada “ideologia de gênero” e uma leitura avessada da ciência a qual resolveram chamar de “marxismo cultural” os representantes do projeto Escola Sem Partido causam balbúrdias nas salas de aula, incentivando pais e estudantes a coagirem professores, para combater o que eles chamam de doutrinação.

No entanto, o comportamento inverso é que sugere ser fruto de uma doutrinação moralista baseada em notícias falsas, já que a escola é por natureza social o ambiente da liberdade de ensinar e de aprender, mantendo elos plurais.

Logo que o “mal estar” foi eleito, uma deputada catarinense orientou os alunos a filmarem seus professores, para que estes sejam posteriormente punidos sob acusação de doutrinar. O próprio eleito divulgou vídeo parabenizando aluno que filmou professora em sala, enquanto incentivava para que todos os alunos pudessem fazer isso.

O desconhecimento da realidade ampla é uma das marcas do Jair, que além dessa proposta de violação da autonomia do professor em sala e uso sem permissão da imagem alheia, também declarou ignomínias relativas às provas do Enem.  Ele é um problema para o Brasil aprender a lidar.

Em sua sabedoria, o governador maranhense protege as salas de aulas, quando artigo 4º deixa claro:

“Professores, estudantes ou funcionários somente poderão gravar vídeos ou áudios, durante as aulas e demais atividades de ensino, mediante consentimento de quem será filmado ou gravado.”

Bravo posicionamento de um governador autônomo e devidamente informado do processo legal, pois educar sem liberdade e respeito ao outro,  é semear em terra infértil. O saber é fruto da autonomia e da pesquisa, nas lides diárias com a diversidade cultural e humana!

Nossas escolas precisam ser protegidas e salvaguardadas do exército de zumbis que se alimentam de ilusões a cada dia.

Salve Flavio Dino, orgulho do Nordeste!

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *